Leandro Portella

O Pré Conceito do Medo

Posted on nov 30, 2016

O medo é um sentimento, natural do ser humano.Ele emite um sinal de alerta demonstrado pelo receio, dúvida de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente, principalmente quando a situação é desconhecida, nova, nunca antes sentido, visto ou vivido.

Esse sentimento  também surge  em relacionamentos  entre pessoas, podendo tornar-se ainda mais acentuado  e conflituoso entre  pessoas com alguma deficiência.

Quando um relacionamento é prejudicado, por esse medo ou insegurança do  desconhecido , do diferente, geralmente é confundido com o preconceito, que é  um “juízo” preconcebido, equivocado e precipitado  perante opiniões diversas e não necessariamente  preconceito.

De modo geral, o ponto de partida do preconceito é uma generalização superficial, chamada “estereótipo”. Exemplo: “ Cadeirantes não fazem sexo.”

Essa definição do medo e o preconceito fez se necessária apenas para mostrar como ambos parecem ter a tendência de parecer uma atitude preconceituosa, o que na verdade não é.

Algumas pessoas com deficiência utilizam dessa “confusão” para disfarçar seus próprios medos, insegurança, a nova condição, medo de tentar e não conseguir, sendo mais cômodo colocar a “culpa” no preconceito do outro.

A pessoa sem deficiência também experimenta da sensação do medo e conflitos internos  e também utiliza de mecanismos de defesa para mascarar suas inseguranças.

As pessoas deixam de viver sentimentos e emoções por conta do medo, o medo do novo que pode existir nos dois lados, tendo ou não alguma deficiência!

Em suma, o ser humano é complexo tendo ou não deficiência. O que muda é a forma como cada um encara sua condição de vida e se responsabiliza por elas. E encarar a vida, é também encarar opiniões alheias, a questão final é como cada um se estrutura na sua realidade individual, e fazendo isso a opinião e até mesmo o preconceito não será capaz de causar qualquer conflito interno.

“Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo – quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação.”Clarice Lispector

Vamos deixar de viver o medo para poder sentir novas emoções e realidade de vida de cada ser humano.O importante é ser feliz!

468 ad