Leandro Portella

Tell me something good

Posted on jun 12, 2018

Para muitos, ela não passa de um adereço estético como outro qualquer, de um balangandã permanente enfiado na carne, de um enfeite que possui a mesmíssima função e importância das pulseiras, brincos e anéis.

Para mim, ela é muito mais: é a forma mais eficaz de me virar do avesso e trazer à tona, à superfície do meu corpo, aquilo que inunda o meu interior.

“Tell me something good” se tornou, assim, um reflexo, lembrete do que eu quero de fato e não se trata apenas da tinta que com a ajuda de uma agulha frenética pinga corpo adentro e mesmo sem dor me marca, se trata de sentimento.

E por que materializar essa frase em meu corpo e não em um quadro? Tem certas coisas são tão importantes que precisam ser carregadas comigo.

468 ad